Laboratório Sinpacel

LABORATÓRIO SINPACEL

Uma referência de qualidade para os setores de papel e celulose.

Para aprimorar a qualidade de produtos nos setores de papel e celulose é fundamental a referência oferecida por testes físicos realizados em amostras de celulose, pasta de madeira, papel, cartão e papelão. Desta forma, atestam-se os padrões de qualidade dos produtos, contribuindo para o reconhecimento nacional e internacional das empresas e beneficiando o mercado como um todo.

O laboratório de testes físicos do Sinpacel realiza ensaios em amostras e oferece resultados confiáveis e comprovados. O laboratório também desenvolve trabalhos de pesquisa na área, abrangendo desde a matéria-prima até o acabamento final.

Selo Acreditação INMETRO

Ensaios Acreditados

Visualize o Escopo da Acreditação clicando no selo ou aqui!.

Os ensaios do Sinpacel definidos no escopo acima são certificados pela Coordenação Geral de Acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (CGCRE). É a garantia de que o laboratório atende a todos os requisitos da norma NBR ISO/IEC 17025 nas determinações dos seguintes ensaios:

  • Gramatura;
  • Resistência à tração a úmido;
  • Propriedades de tração – parte 2: método da velocidade constante de alongamento;
  • Índice de maciez;
  • Resistência à compressão de coluna;
  • Pintas;
  • Furos;
  • Medida do fator de reflectância difusa no azul (Alvura ISO);
  • Tempo e capacidade de absorção de água - método de imersão em cesta;
  • Capacidade de absorção de água - método de Cobb.

Desde junho de 2015, o laboratório Sinpacel faz parte da Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios.

Diretrizes para o envio de amostras

Siga as orientações abaixo, que têm o objetivo de preservar a qualidade das amostras enviadas para análise e a confiabilidade dos resultados:

  • O pedido da análise deve ser feito por meio do Formulário de “Solicitação de Ensaio” (disponível para download aqui); especificando as amostras e quais os ensaios desejados;
  • Diante da necessidade de teste de umidade, favor embalar as amostras em plástico para que não haja alteração durante o se transporte;
  • Devem ser enviadas, pelo menos, 2 amostras de caixas ou chapas de papelão grandes e 3 pequenas;
  • As amostras de papel ou cartão devem ser enviadas preferencialmente no formato 25x40cm, em quantidade mínima de 10 a 20 folhas;
  • As amostras devem ser cortadas no formato especificado, com os sentidos longitudinal e transversal paralelos às bordas das folhas;
  • As amostras devem estar em bom estado, sem áreas amassadas, com dobras, vincos ou outros defeitos.

Solicite seu ensaio por e-mail.

Importante: Ao baixar o arquivo do item "Solicite seu ensaio por e-mail '.DOC' ou '.PDF'", preencha o documento com a sua "solicitação", salve e envie o arquivo para o e-mail: laboratorio@sinpacel.org.br.


SOLICITAÇÃO DE ENSAIO .DOC (36kb)
Sinpacel: Laboratório Sinpacel: Laboratório
RELAÇÃO DOS ENSAIOS REALIZADOS NO LABORATÓRIO DE TESTES FÍSICOS DO SINPACEL
1) Papel e Cartão - Determinação da Umidade - Método por secagem em estufa.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR NM ISO 287:2012
2) Papel e cartão - Determinação da direção da fabricação.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR NM 106:2001
3) Papel – Identificação do lado tela.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR NM 107:1999
4) Papel e cartão - Determinação da espessura e da densidade aparente de uma única folha ou de um maço.
UNIDADE: mm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-5 mm
NORMA: NBR NM-ISO 534:2006
5) Papel e Cartão - Determinação da capacidade de absorção de água (Ensaio Cobb).
UNIDADE: gH20/m²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-500 g/m²
NORMA: NBR NM ISO 535:1999
6) Papel e cartão - Determinação da gramatura.
UNIDADE: g/m²
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR NM-ISO 536:2000
7) Papel e cartão - Determinação das propriedades de tração. - Parte 2: Método da velocidade constante de alongamento (20mm/min).
UNIDADE: kN/m, kgf/cm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-25 kgf/cm
NORMA: NBR NM-ISO 1924-2:2012
8) Papel e cartão - Determinação das propriedades de tração. - Parte 3: Método da velocidade constante de alongamento (100mm/min).
UNIDADE: kN/m, kgf/cm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-25 kgf/cm
NORMA: NBR NM-ISO 1924-3:2006
9) Papel - Determinação da resistência ao rasgo - Método Elmendorf.
UNIDADE: mN, gf
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-80 gf
NORMA: NBR NM-ISO 1974:2001
10) Papel, cartão e pastas celulósicas - Determinação do resíduo (cinza) da incineração a 900ºC.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR NM-ISO 2144:2001
11) Papel e cartão - Determinação da resistência à flexão.
UNIDADE: gf.cm - mNm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-5000 gf.cm
NORMA: NBR NM-ISO 2493:2001
12) Determinação do fator de reflectância difusa no azul (Alvura ISO).
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR NM ISO 2470: 2001
13) Determinação da opacidade difusa.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR NM ISO 2471:2001
14) Papel - Determinação da resistência ao arrebentamento.
UNIDADE: Kgf/cm², kPa, lbf/pol²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-10 kgf/cm²
NORMA: NBR NM-ISO 2758:2007
15) Cartão - Determinação da resistência ao arrebentamento.
UNIDADE: Kgf/cm², kPa, lbf/pol²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-30 kgf/cm²
NORMA: NBR NM-ISO 2759:2007
16) Papelão ondulado – Determinação da espessura.
UNIDADE: mm, µm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-5 mm
NORMA: NBR ISO 3034:2012
17) Papelão ondulado face simples e parede simples – Determinação da resistência ao esmagamento.
UNIDADE: Kgf/cm²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-3,5 kgf/cm²
NORMA: NBR ISO 3035:2012
18) Papelão ondulado – Determinação da gramatura dos papéis-componentes após separação.
UNIDADE: g/m²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-1000 g/m²
NORMA: NBR ISO 3039:2012
19) Papel e cartão – Determinação da resistência à tração após imersão em água.
UNIDADE: Kgf/cm, kN/m
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-25 kgf/cm
NORMA: NBR NM ISO 3781:2001
20) Desagregação à úmido em laboratório.
UNIDADE: minutos
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR 5263/1:2006
21) Preparação de folhas em laboratório – Método Rapid-Köten.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR ISO 5269/2:2006
22) Pastas celulósicas – Estimativa de sujidade e estilhas.
UNIDADE: mm²/kg
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR ISO 5350-2:2007
23) Papel e cartão - Determinação da permeância ao ar (faixa média) - Método Gurley.
UNIDADE: s
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-5000 s
NORMA: NBR NM ISO 5636-5:2006
24) Papel, cartão e pasta celulósica – Determinação do pH de extratos aquosos a frio e quente.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-12
NORMA: NBR NM-ISO 6588-1 e 6588-2:2007
25) Papelão ondulado – Determinação da resistência à compressão de coluna.
UNIDADE: kN/m, kgf/cm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-35 kgf/cm
NORMA: NBR 6737:2009
26) K&N – Determinação da absorção de tinta de impressão.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 7154/2009
27) Papel para miolo - Determinação da resistência à compressão quando ondulado em laboratório (CMT).
UNIDADE: N, kgf
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-350 kgf
NORMA: NBR ISO 7263:2012
28) Determinação de pintas e furos.
UNIDADE: mm/m²
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR 8259:2002
29) Determinação de brilho a 75º.
UNIDADE: UB
FAIXA DE MEDIÇÃO: 1-150
NORMA: NBR NM ISO 8254-1/2001
30) Papel e cartão – Determinação da aspereza ou lisura (método Bendtsen).
UNIDADE: ml/min
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-300 ml/min
NORMA: NBR NM-ISO 8791-2:2001
31) Papel - Determinação da resistência a compressão – método do esmagamento de anel (RCT).
UNIDADE: kN/m, kgf
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-350 kgf
NORMA: NBR ISO 12192:2012
32) Papel fins sanitários – Determinação da capacidade e tempo de absorção de água, método de ensaio por imersão em cesta.
UNIDADE: s, gH20/m²
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-60 s, 0-30 g/m²
NORMA: NBR ISO 12625-8:2012
33) Fins sanitário – Determinação da tração dos picotes-calculo da eficiência do picote.
UNIDADE: N/m, kgf/cm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-7 kgf/cm
NORMA: NBR ISO 12625-12/2011
34) Determinação do teor de massa seca - Método por secagem em estufa.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 13998:1997
35) Determinação do resíduo (cinzas) após incineração a 525ºC.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 13999:2002
36) Determinação da consistência.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 14003:1997
37) Determinação da resistência à drenagem pelo aparelho Schopper Riegler.
UNIDADE: ºSR
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 14031:2004
38) Tubetes - Determinação da umidade - Método secagem por estufa.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 14257:1998
39) Refinação em laboratório – Método Jokro.
UNIDADE: ºSR
FAIXA DE MEDIÇÃO: 10-90ºSR
NORMA: NBR 14346:1999
40) Determinação do pH superficial – Método Eletrodo.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-12
NORMA: NBR 14348:1999
41) Determinação da compressão plana de tubetes.
UNIDADE: Kgf, kgf/cm, kN/m
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-400 kgf
NORMA: NBR 14351:1999
42) Tubetes – Medição das dimensões.
UNIDADE: mm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-300
NORMA: NBR 14484/2000
43) Embalagem de papelão ondulado- Determinação das dimensões da caixa.
UNIDADE: mm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-650
NORMA: NBR 14979:2009
44) Determinação da cor (C/2)- Método da reflectância difusa.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: NBR 14999:2003
45) Papel para fins sanitários – Determinação da resistência à tração a úmido.
UNIDADE: N/m, kgf/cm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-7 kgf/cm
NORMA: NBR 15010:2003
46) Determinação da brancura, CIE, D65/10.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-200
NORMA: NBR 15011:2006
47) Papelão ondulado coeficiente de atrito estático – Método do plano horizontal.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-1000
NORMA: NBR 15068:2012
48) Determinação da resistência à compressão de coluna quando ondulado em laboratório (CCT).
UNIDADE: Kgf, N
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-350
NORMA: NBR 15231:2005
49) Coeficiente de atrito estático e dinâmico – Método do plano horizontal.
UNIDADE: gf
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-1000
NORMA: NBR 15234:2005
50) Aparas de papel e papelão ondulado – Determinação do teor de umidade – Método por secagem em estufa.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-100
NORMA: NBR 15484:2007
51) Cartão – Determinação da resistência da ligação interna (tração na direção –z).
UNIDADE: Kgf/cm², Kgf/pol², kPa
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-6
NORMA: NBR 15754:2010
52) Resistência a abrasão – Ink Rub Test.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: TAPPI T 830-04
53) Sacos multipliegos de papel fondo pegado. Determinacion de la resistencia a la traccion de las pegaduras de los extremo.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: COVENIN 2328-85
54) Sacos multipliegos de papel fondo pegado. Determinacion de la resistencia a la traccion de las pegaduras longitudinales.
UNIDADE: %
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: COVENIN 2207-84
55) Sacos multipliegos de papel. Metodo de ensayo para determinar la resistencia al impacto por caida libre.
UNIDADE: -
FAIXA DE MEDIÇÃO: -
NORMA: COVENIN 2292-85
56) Sacos multipliegos de papel. Determinacion de la superposición de los pliegos
UNIDADE: mm
FAIXA DE MEDIÇÃO: 0-10
NORMA: COVENIN 2208-84
voltar